Bateria d’água Portugal

A ‘bateria d’água’ que estoca vento e sol em Portugal

Bateria d’água Portugal

Por: Italo Bertão Filho

A fase final de uma enorme “bateria d’água” deve ser inaugurada em março em Portugal. O nome técnico desse tipo de estrutura é hidrelétrica reversível, mas sua função é exatamente igual à de uma bateria comum.

O complexo do Tâmega, no norte do país, vai armazenar a energia excedente gerada por usinas eólicas e solares e despachá-la quando essas fontes não estão produzindo.

O sistema guarda eletricidade suficiente para carregar 400 mil baterias de carros elétricos ou abastecer 2,4 milhões de residências.

Construído pela espanhola Iberdrola, o complexo do Tâmega custou € 1,5 bilhão. Duas das três usinas que compõem o sistema já estão operando. A empresa também é dona da maior hidrelétrica reversível da Europa, o de Cortes-La Muela, na Espanha.

Para entender como funcionam essas “baterias d’água”, pense em dois reservatórios de água localizados em alturas diferentes.

Durante o dia, enquanto painéis solares estão em funcionamento e há energia sobrando no sistema, a eletricidade é usada para bombear a água do reservatório mais baixo para o mais alto, carregando a bateria.

Bateria d’água Portugal

Quando a noite cai e a demanda aumenta, o processo se inverte: as portas do reservatório superior se abrem, e a água movimenta turbinas transformando em eletricidade a energia cinética acumulada.

O crescimento acelerado da geração eólica e solar, ambas fontes intermitentes, tem sido acompanhado da busca por maneiras que garantam o fornecimento sem interrupções.

As soluções vão de baterias de íons de lítio do tamanho de contêineres espalhadas em grandes áreas a soluções semelhantes à portuguesa, mas que erguem pedras em vez de água para capturar a energia.

Parceria

Em 2021, o governo do Rio Grande do Norte firmou uma parceria com a startup Energy Vault, que desenvolveu uma “bateria de pedra” para armazenar energia em blocos de concreto de 35 toneladas.

Hoje, as hidrelétricas reversíveis ainda respondem por quase a totalidade do armazenamento de energia no mundo, segundo a Agência Internacional de Energia (AIE).

A tecnologia tem quase cem anos, e durante muito tempo esteve restrita aos Estados Unidos – onde foi criada a primeira estrutura desse tipo, em 1930 – e à Europa.

Nos últimos anos, a China assumiu a liderança. Hoje, os chineses concentram 30% do total da energia reversível do mundo, com uma capacidade de 50,7 GW, quantidade que equivale à de todos os países europeus juntos, de acordo com dados do Global Energy Monitor.

Em 2021, o país lançou um plano audacioso que prevê investimentos para ampliar sua capacidade de ‘baterias d’água’ para 62 GW até 2025, chegando a 120 GW até 2030. Como comparação, a hidrelétrica de Itaipu tem uma capacidade total de geração de 14 GW.

A Austrália foi outro país que também voltou suas atenções para as usinas reversíveis nos últimos anos. Em 2019, o país lançou um megaprojeto chamado Snowy 2.0, com capacidade de 2,2 GW, para ligar duas barragens por um túnel subterrâneo de 27 quilômetros.

O custo

Em tese, as baterias d’água seriam a solução ideal para um dos problemas essenciais da energia renovável. Mas elas precisam de terrenos com topografia e localizações ideais, envolvem enormes projetos de engenharia – com grande impacto socioambiental – e custam caro.

As estimativas mais recentes para o projeto australiano apontam para um custo final de US$ 12 bilhões, seis vezes maior que primeiro orçamento. A obra só deve ser concluída em 2029 – inicialmente, estava prevista para ficar pronta neste ano.

Para construir a operação do Tâmega, a Iberdrola precisou de um financiamento de 650 milhões de euros do Banco Europeu de Investimento.

Para manter vivo o limite de 1,5°C na temperatura global, serão necessários muitos novos projetos parecidos com o de Portugual, calcula a Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA, na sigla em inglês): os atuais 161 GW teriam de chegar a 420 GW até 2050.

Fonte: CR.

Conteúdos Relacionados

Concurso Dessalinização Água Algarve

Lançado concurso para construção da Estação de Dessalinização de Água do Mar do Algarve

Foi publicado no dia 16 de Fevereiro em Diário da República o concurso para a conceção, construção e exploração do Sistema de Dessalinização de Água do Mar da região do Algarve, que terá como capacidade inicial de produção de 16 milhões de m3/ano de água, ficando a obra civil preparada para o aumento da capacidade para 24 milhões m3/ano. O preço base do concurso é de 90 milhões de euros e tem como prazo o final do ano de 2026.

Leia mais »
EDP Linha de Transmissão

EDP vende linha de transmissão no Brasil por 482 milhões

A EDP, através da sua subsidiária EDP Brasil, concluiu nesta terça-feira a venda à Edify Empreendimentos e Participações, uma sociedade gerida pela Actis, da linha de transmissão EDP Transmissão SP-MG, informou a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Leia mais »