Preço da água em Portugal

Preço da água é mais elevado no Norte e Centro do país. Diferença entre concelhos supera os 376 euros anuais

Preço da água em Portugal

Primeiramente uma altura em que já se antecipa um aumento médio de 8,5% do preço da água em 2024, a Deco Proteste analisou todos os tarifários de abastecimento, saneamento e de resíduos sólidos a nível nacional.

Na análise, a organização concluiu que entre o concelho mais com preço mais elevado e mais baixo, quando o consumo anual é de 120 metros cúbicos (m3), há uma diferença de 376 euros no preço da água.

Já nos casos em que o consumo anual de uma família é 180 m3, esta disparidade entre concelhos aumenta para 625,73 euros.

Em suma relativamente ao consumo anual de 120 m3 – ou 120 mil litros por ano – surge em primeiro lugar, como o mais alto, o concelho de Amarante, com uma fatura média anual de 470,13 euros, seguindo-se Oliveira de Azeméis com 468,68 euros e Trofa com uma fatura anual de 467,25 euros. A compor o resto do top 5, surge Baião e Celorico de Basto com um preço médio anual no consumo da água de 453,32 euros e 451,10 euros, respetivamente.

Portanto quanto ao consumo anual de 180 m3, é no Fundão que está localizada a fatura mais cara perfazendo, em média, os 751,64 euros. Em Oliveira de Azeméis e Santa Maria da Feira o preço médio anual é 684,10 euros e 682,82 euros, pela mesma ordem, ao passo que em Celorico de Basto a fatura média anual da água para estes consumos é de 451,10 euros, e na Covilhã o preço médio é de 666 euros.

Preço da água em Portugal

Ademais a organização de defesa do consumidor conclui, desta forma, que se “mantém o fosso entre estruturas tarifárias com escalões distintos e diferentes custos unitários nos vários concelhos do país”, realidade que resulta em “valores muito díspares” e contribuem “para a falta de equidade das famílias portuguesas“.

Além do preço médio do consumo, também existem disparidades entre concelhos quando se analisa o preço de abastecimento de água. A título de exemplo, a organização detalha que nesta matéria a diferença entre dois concelhos atinge 205,55 euros para o mesmo consumo de 120 m3 anuais, e 341,04 euros para o consumo anual de 180 m3. “O intervalo de variação dos custos é cerca de 6 vezes entre concelhos com tarifário mais alto e mais baixo”, vinca a Deco Proteste.

Saneamento

Então no que toca ao serviço de saneamento, as diferenças, embora existentes, são comparativamente menos expressivas. Segundo a análise da Deco Proteste, o serviço de saneamento apresenta diferenças de 172 euros a 332,40 euros entre os concelhos com tarifários mais baixo e mais alto, respetivamente para consumos de 120 m3 e 180 m3. “Estes correspondem, respetivamente, a 14 vezes mais (para cenário de consumo de 120 m3) e 23 vezes mais (para consumo de 180 m3)“, detalha a organização de defesa do consumidor.

À Entidade Reguladora para o Setor da Água e Resíduos (ERSAR), a Deco Proteste pede “urgência no regulamento tarifário por via legislativa, assim como o urgente investimento na reabilitação de infraestruturas, que, caso não aconteça, agravará o já atual desperdício de 180 milhões de metros cúbicos de água por ano em Portugal”.

A defesa do consumidor considera ainda decisivo que a aplicação da tarifa social seja extensível e automática para as três componentes da fatura: abastecimento, saneamento e resíduos sólidos urbanos.

Fonte: Sapo.

Conteúdos Relacionados

Concurso Dessalinização Água Algarve

Lançado concurso para construção da Estação de Dessalinização de Água do Mar do Algarve

Foi publicado no dia 16 de Fevereiro em Diário da República o concurso para a conceção, construção e exploração do Sistema de Dessalinização de Água do Mar da região do Algarve, que terá como capacidade inicial de produção de 16 milhões de m3/ano de água, ficando a obra civil preparada para o aumento da capacidade para 24 milhões m3/ano. O preço base do concurso é de 90 milhões de euros e tem como prazo o final do ano de 2026.

Leia mais »
EDP Linha de Transmissão

EDP vende linha de transmissão no Brasil por 482 milhões

A EDP, através da sua subsidiária EDP Brasil, concluiu nesta terça-feira a venda à Edify Empreendimentos e Participações, uma sociedade gerida pela Actis, da linha de transmissão EDP Transmissão SP-MG, informou a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Leia mais »