Segunda Fatura Prejuízo

Uma segunda fatura que esconde quase 90 milhões de prejuízo

Segunda Fatura Prejuízo

Por: Pedro Perdigão

Em mais de metade dos municípios portugueses, existem, digamos, duas faturas de água e saneamento – uma delas é bem conhecida de todos e apresentada diretamente ao consumidor com o valor cobrado por estes serviços.

A outra é mais preocupante: desconhecida para o consumidor (e para o contribuinte), ascende a perto de 90 milhões de euros em prejuízos anuais suportados pelos impostos deste país e da União Europeia.

Portanto os dados mais recentes da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos mostram que em 138 municípios o valor pago pelos consumidores não é suficiente para cobrir os gastos da operação com os serviços de abastecimento de água e recolha de águas residuais.

Contudo o problema agrava-se se contabilizarmos as entidades gestoras que não sabem sequer os seus gastos e ganhos, fazendo subir para 60% as entidades para as quais a fatura paga pelos consumidores não é suficiente, dependendo de uma “segunda fatura” endossada ao contribuinte.

O que quer isto dizer? Que nestes municípios o prejuízo dos serviços públicos de água e saneamento é financiado através de outros impostos ou mecanismos de subsidiação com fundos municipais, nacionais e comunitários. Portanto, apesar de nesses concelhos, tipicamente, a “primeira fatura” ser mais baixa, isso não é tudo o que a mesma pessoa, agora enquanto contribuinte, paga para que sejam assegurados esses serviços – a “segunda fatura” será apresentada na forma de impostos.

Segunda Fatura Prejuízo

Mas estas soluções de subsidiação não são, contudo, totalmente inválidas e seriam úteis, quando transitórias e transparentes para o contribuinte, e se, a médio prazo, contribuíssem para uma real sustentabilidade por meios próprios nessas entidades.

Contudo, a sua ineficácia está infelizmente à vista: falta exigir “prestação de contas” nos subsídios atribuídos e falta uma gestão assertiva na sua aplicação. Falta também, em complemento, compromisso político, que se mantém desfavorável a aumentar tarifas (mesmo quando estas não comprometem a acessibilidade económica das famílias), para que estas reflitam o verdadeiro custo de levar água e recolher águas residuais.

Desta forma, os mecanismos de subsidiação de que falamos acabam por apenas fomentar uma falta de verbas cíclica, que passa despercebida aos contribuintes que a pagam. Como exemplo, temos o Programa para a Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO SEUR) que, no ano em que deveria ter sido concluído (2020), tinha apenas 60% das verbas executadas. Os fundos foram atribuídos, em larga maioria, a entidades públicas e surtiram pouco ou nenhum impacto na qualidade, eficácia ou eficiência dos serviços.

O Serviço

A dependência da subsidiação e o prejuízo em que muitas entidades continuam a operar trazem ainda outras consequências para o setor e para o consumidor. Desde logo, em défice financeiro, esfuma-se a capacidade de investimento em melhorias técnicas, humanas e tecnológicas. O que, a médio-longo prazo, representará perda de qualidade no serviço prestado ao consumidor e também piores performances na operação. Fazendo crescer o fosso entre entidades.

Assim, enquanto não se cumprir o princípio legal do utilizador-pagador continuaremos a correr o risco de se manterem (e até se “premiarem” com mecanismos de subsidiação) más práticas de gestão, ao mesmo tempo que, pelo contrário, não se valorizam as entidades com eficácia e eficiência. Não estaremos, desta forma, a penalizar quem cumpre? Mais do que isso: não estaremos a penalizar ainda mais os consumidores que até desconhecem as “duas faturas” que enfrentam?

Fonte: Observador.

Conteúdos Relacionados

Concurso Dessalinização Água Algarve

Lançado concurso para construção da Estação de Dessalinização de Água do Mar do Algarve

Foi publicado no dia 16 de Fevereiro em Diário da República o concurso para a conceção, construção e exploração do Sistema de Dessalinização de Água do Mar da região do Algarve, que terá como capacidade inicial de produção de 16 milhões de m3/ano de água, ficando a obra civil preparada para o aumento da capacidade para 24 milhões m3/ano. O preço base do concurso é de 90 milhões de euros e tem como prazo o final do ano de 2026.

Leia mais »
EDP Linha de Transmissão

EDP vende linha de transmissão no Brasil por 482 milhões

A EDP, através da sua subsidiária EDP Brasil, concluiu nesta terça-feira a venda à Edify Empreendimentos e Participações, uma sociedade gerida pela Actis, da linha de transmissão EDP Transmissão SP-MG, informou a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Leia mais »